iPod

quinta-feira, janeiro 7

Tudo o que o Amor não é*

Quando percebemos que há aspectos que nos agradam e aspectos que nos desagradam, o nosso cérebro faz um balanço e opta em função do lado que tem mais força para nós. Quando dividimos a representação da outra pessoa em duas e se idealiza um dos lados, continuamos a sofrer e a frustrar-nos com o lado mau, mas não conseguimos separar-nos porque, quando pensamos, só imaginamos a versão boa. E assim, ficamos presos.

E eu só acrescentaria, usando mais um dos magníficos títulos de Eduardo Sá*:

A vida não se aprende nos livros, mas que há alguns que ajudam a compreendê-la muito melhor, lá isso há.


1 comentário:

  1. Eu não poderia estar mais de acordo... ; ) ***

    ResponderEliminar

O teu raio de sol...

Blog Widget by LinkWithin